Plugmetal Magazine

Pesquisar
Pesquisar pelo termo exato
Pesquisar por título
Pesquisar pelo conteúdo
Pesquisar por trechos
Filtrar por postagem
Posts
Conteúdo do dia:

Entrevista com a banda Vandorte


Primeiramente quero agradecer a todos da Vandorte pela entrevista.

Nesta primeira parte da entrevista eu gostaria que vocês nos falassem sobre as origens da banda.

 

1- Como os integrantes da banda se conheceram?

A: Bom, eu e o Alexandre (guitarrista) nos conhecemos em 2010, em um encontro de fãs do Evanescence. Daí fundamos o Van Dorte. O Dione (baixista e tecladista) apareceu alguns anos depois antes do lançamento do “Epilogue”, o Will (guitarrista) entrou tem um ano e o Vinnie (baterista) entrou tem poucos meses. Banda undergroud tem rotatividade de membros… Infelizmente.

Wagner Barbosa: Compreendo! É sempre muito difícil quando se está começando uma banda, galgar o seu lugar ao sol nem sempre é fácil!

2- Quais atividades o Van Dorte estava realizando antes da pandemia de Corona Vírus?

A: Estávamos gravando material novo, gravando clipe e ensaiando (íamos abrir alguns shows gringos). Mas tivermos que interromper as atividades. Mas logo voltaremos a trabalhar.

Wagner Barbosa: Isto é muito bom! Trabalhar em um novo material é sempre uma boa coisa para qualquer banda desde as estouradas aquelas que ainda estão no Underground.

3- Quem escreve as letras da banda?

A: Eu! Feleex. Como sou o vocalista fica pra mim o trabalho de fazer as letras e as linhas vocais.

Wagner Barbosa: Entendo!

4- Como geralmente ocorre o processo de produção de uma música ?

A: Não tem uma forma específica. As vezes eu penso em uma linha vocal e mando para os meninos, e trabalhamos juntos. As vezes algum deles manda um riff, e eu faço vocalização em cima. Então, não existe uma fórmula, cada canção toma vida de uma forma diferente.

Wagner Barbosa: Então cada música nasce de uma forma completamente independente e original { risos}.

Falaremos agora dos trabalhos já realizados pela banda.

5- Conte-nos acerca da produção do single ” So Weak”:

A: Gravamos “So Weak” em 2013, com a produtora Loud Factory, foi nossa primeira experiência em um estúdio.

Wagner Barbosa: Esse single foi uma porta para o trabalho de vocês, daí em diante houveram shows e até aberturas para grandes nomes do Metal Sinfônico Mundial.

6- Conte-nos acerca da produção do single ” Fragile Dreams”:

A: “Fragile Dreams” foi gravada junto com as sessões do “Epilogue”, foi uma produção em casa, no nosso home-studio. A pós produção ficou por conta do Celo Oliveira com quem trabalhamos juntos até hoje.

Wagner Barbosa: Entendi! Todo processo deste trabalho foi feito no conforto do lar , isto é muito interessante.

7 – Como foi trabalhar com a Produtora Loud Factory?

A: Foi uma experiência bem positiva. Nos rendeu uma amizade incrível, adoro o Tiago Assoline, ele é uma pessoa incrível. E foi graças a Loud Factory que eu conheci a minha melhor amiga Stefanie Schrimbeck, que na época era vocal da banda Holiness.

Wagner Barbosa: Muito Interessante tudo isto!

8 – Em 2017 vocês lançaram o álbum intitulado ” Epilogue”, conte-nos acerca do mesmo e todo o processo de sua produção:

A: Foi uma loucura. Eu produzi o álbum basicamente sozinho. O Alexandre gravou as guitarras e me ajudou muito com a parte de softwares de gravação. A gente não tinha experiência em gravar, aprendemos fazendo mesmo. No final o resultado dessa loucura tá aí.

Wagner Barbosa: Cara mais uma produção ” caseira”, isto realmente é muito interessante, o underground vive em bandas como vocês.

Falaremos agora de outros assuntos interessantes acerca da banda.

09- Durante estes anos de existência da banda em algum momento vocês pensaram em desistir da jornada frente á alguma dificuldade?

A: Ser uma banda independente fazendo o som que fazemos não é tarefa fácil. As pessoas daqui não dão muita bola pra banda local, e com isso a gente acaba as vezes desanimando. Já passamos por algumas crises na banda, entrada e saída de membros. Eu não penso em largar a banda. Mas as vezes realmente me sinto exausto.

Wagner Barbosa: Realmente as bandas independentes costumam passar por muitas dificuldades em especial no caso de vocês que fazem um som tipicamente feminino empregando o vocal masculino.

E os shows?  Falaremos disto agora.

10- Conte-nos sobre a abertura para a banda Delain, queremos saber como ocorreu o processo, quem os convidou para ser a banda de abertura, como foi feita a preparação, e qual foi a sensação de vocês ao abrir o Show deles :

A: Essa abertura foi polêmica, a gente subiu no palco na marra. Tivemos uns problemas com a produção.

Não tivemos oportunidade de passar som, mas no final deu quase tudo certo. O público estranhou um pouco, galera do metal sinfônico não gosta de vocal masculino, então não foi fácil cativar.

Wagner Barbosa: Realmente é difícil vermos bandas sinfônicas com vocal masculino, imagino o qual difícil foi para vocês começarem este projeto.

11- Conte-nos sobre a abertura para a banda Visions Of Atlantis, queremos saber como ocorreu o processo, quem os convidou para ser a banda de abertura, como foi feita a preparação, e qual foi a sensação de vocês ao abrir o Show deles :

A: Foi nossa primeira abertura internacional, foi um show pequeno, e tinha muitos amigos. Foi uma confraternização muito boa!

Wagner Barbosa: A primeira abertura para uma banda gringa é sempre emocionante, e poder rever uns amigos é sempre bom, me lembra de quando revejo o mano Luccas baterista de Minas Gerais em alguns shows aqui no Rio de Janeiro { risos}.

12- Conte a seus fãs algo engraçado que já tenha ocorrido no caminho, ou, durante algum Show, ou, ensaio.

A: No show que abrimos pro Delain e Vuur eu tive refluxo na segunda música, e foi desesperador. Hoje eu dou boas risadas lembrando, mas no dia foi tenso.

Wagner Barbosa: Puta merda! Refluxo é horrível imagine na hora de cantar deve ter sido desesperador.

13 – Em qual lugar vocês aturam pelo Última vez? Conte-nos um pouco sobre isto.

A: Foi no Fofinho Rock Bar em São Paulo, foi um show legal. Com muitos amigos e o som tava ótimo.

Wagner Barbosa: O fofinho é um lugar lendário de São Paulo, muita gente já viveu bons momentos lá.

14- De todos os Shows já realizados quais foram os mais marcantes?

A: Sem duvida a abertura para o Delain e Vuur. Teve outros shows marcantes, como o show beneficente da Rádio Stilo New Rock. Foi a despedida do nosso amigo Nando que veio a falecer meses depois. Ele era locutor da Rádio, e um grande divulgador do Rock paulista.

Wagner Barbosa: Entendi! Creio não ter mais nada a acrescentar acerca deste assunto.

15- Falaremos agora do futuro, quais são os seus projetos para o futuro?

A: Clipes e singles novos, queremos tocar, fazer shows e levar nossa música para mais pessoas. Estamos escrevendo um álbum novo, mas ele ainda vai demorar sair. Enquanto isso vamos lançar alguns singles soltos.

Wagner Barbosa:  Clipes, Singles, isso é muito importante para o futuro de qualquer banda, ficaremos ligados em seus projetos futuros.

Trataremos agora de outras questões relacionadas ao mundo da música.

16- Se vocês pudessem tocar em qualquer festival do mundo, qual escolheriam e por quê?

A: Wacken Open Air é o sonho de qualquer banda de rock. Eu amaria estar lá. Quem sabe um dia né?

Wagner Barbosa: Realmente este é um festival muito importante, mas não é o único por sorte, o Ressurrection Fest por exemplo tem crescido bastante nos últimos tempos.

 

17- Se você pudesse mudar uma coisa sobre a indústria da música, o que seria?

A: Acho que as coisas agora são muito descartáveis. Isso me incomoda um pouco. Mudaria isso. Antes a gente comprava um álbum e ouvia ele inteiro, era uma experiência musical. As pessoas hoje estão mais desconectadas da música.

Wagner Barbosa: NDA

18- O que vocês tem feito para manter a união da banda nestes tempos de pandemia de Corona Vírus?

A: Muita conversa no grupo da banda no Whatsapp, algumas ligações. A gente vem compondo a distância, um vai emendando o que o outro faz e vamos produzindo.

Wagner Barbosa: NDA

Novamente agradeço pela entrevista e deixo este espaço aberto para que vocês deixem um recadinho especial ao público.

A: Gostaria de agradecer a Plugmetal pelo espaço e o interesse em conhecer um pouco da nossa história. Esse espaço cedido nos ajuda muito!
Para nossos seguidores e amigos, gostaríamos de mandar todo nosso carinho e boas vibrações nesse momento tão difícil. Dizer que estamos preparando material novo, e que logo vocês vão ouvir, ver e sentir.

Links Socais da Banda: Facebook | YoutubeSpotify | Google Play Music | Deezer

 

 

Por favor compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •