Plugmetal Magazine

Pesquisar
Pesquisar pelo termo exato
Pesquisar por título
Pesquisar pelo conteúdo
Pesquisar por trechos
Filtrar por postagem
Posts
Conteúdo do dia:

Entrevista com a banda Rockatessen

Obrigado a todos da banda pela entrevista, nessa primeira parte falaremos sobre a história da mesma.

1- Como os membros da banda se conheceram?

A: História engraçada que os membros da banda se conheceram em diferentes épocas do desenvolvimento do Projeto. Bädcef Foltinne (baixo e vocal) e Yoss Montaño (guitarra, vocais e teclado) se conheceram em 2012 em um festival de música no colégio de Bädcef, quando Bádcef tinha acabado de deixar sua banda anterior e Yoss o convidou para fazer sua apresentação no festival. Yoss e Izzy Bacelis (Rhythm Guitar) se conheceram em 2015 em um show do Slash na Cidade do México, onde ambos estavam no mesmo local e rapidamente se deram bem ao conversar sobre música e guitarras. Por fim, Yoss e David Revilla “Revi” (bateria e percussão) se conheceram em 2016, quando foram a um concerto de jazz (Yoss com seu tio e Revi com seu pai). Como se viu, o pai do tio de Yoss, Revi, era um amigo de longa data, então eles apresentaram Yoss e Revi. No entanto apenas em 2019 a banda se iniciaria.

Wagner Barbosa: A história de formação de vocês lembra um pouco aquelas histórias bizarras que  as bandas contavam em documentários nos anos 80, só faltou terem composto a primeira música num bar {risos}, realmente inusitada a formação de vocês e o Slash teve uma pequena participação nisso { risos}.

2- Que atividades a banda estava fazendo antes da pandemia do vírus Corona?

A: Antes de tudo isso, estávamos planejando uma pequena turnê pela nossa cidade e pela Cidade do México para começar a promoção do nosso próximo álbum de estréia chamado “SOMOS”, também estávamos terminando as músicas desse álbum no estúdio. Na verdade, mal conseguimos terminar a gravação quando os protocolos de bloqueio foram implementados no MXC, por isso não sofremos um grande atraso na produção.

Wagner Barbosa: Ah cara isso tá ferrando todo mundo, esses protocolos de quarentena estão fodendo a geral a vida de muita gente e quebrando a economia mundial, mas é melhor ser um fudido vivo que um não fudido morto    { risos}, espero que essa merda passe logo e que todos voltem a estrada do rock.

3- Quem escreve as letras da banda?

A: Bädcef Foltinne é o verdadeiro poeta por trás das letras da banda, de vez em quando alguns de nós têm uma opinião ou sugestão sobre as letras, mas a maioria dos temas de nossas músicas e as letras reais vêm de suas distorções (ou como ele ‘ eu chamaria isso de “excêntrico”) mente.

Wagner Barbosa: Entendi! Essa é uma boa forma de compor letras de música, isso tem muito a dizer a vosso respeito, digo no que tange a sua originalidade.

4- Como geralmente ocorre o processo de produção musical?

A: Geralmente começa com Yoss apresentando uma ideia ou um riff para uma música, e traz isso à tona durante o ensaio. Depois que a estrutura principal (na qual todos fazem contribuições) é definida, Yoss e Izzy fazem os arranjos em melodias e harmonia, enquanto Revi monta as partes rítmicas e Bädcef escreve sua linha de baixo. Normalmente, ele também cria a melodia da voz antes que as letras sejam escritas. Depois disso, tentamos fazer pelo menos uma primeira gravação de nossas músicas para podermos começar a trabalhar na produção. Yoss e Carlos Calva (gerente e produtor da banda) fazem os últimos arranjos e decisões da música ou álbum. Depois que todos gravam suas tomadas finais (tentamos gravar cada instrumento em uma única tomada) e todos ficam felizes com eles, Yoss faz a mixagem e Carlos faz a masterização e voilà, temos uma nova música do Rockatessen.

Vamos agora falar sobre o trabalho já realizado pela banda.

Wagner Barbosa: É um processo bem trabalhoso pelo que podemos entender, ao ouvir uma música no rádio o youtube nós não imaginamos o trabalho por detrás de sua produção, aqui nós temos um pouco de realidade, queria brindar com uma cerveja ao trabalho duro de vocês { risos}.

5- Conte-nos sobre a produção do single “Sol de invierno”:

A: Algumas de nossas músicas são compostas em um tempo notavelmente curto. Este foi um desses. Parece que surgiu do nada, pronto para entendermos. O riff é basicamente um exercício de aquecimento. Em seguida, adicionamos alguns acordes de energia típicos e uma estrutura “Pop”. O negócio real da música vem com a letra, que deve ser genérica para o ouvido, mas tem uma mensagem oculta à vista. Mesmo quando a música tem um tom inspirador e sonhador, é uma música de partir o coração. Ele fala sobre a dor que um jovem sente quando sua namorada termina com ela, mas como não é a coisa mais comum para as pessoas aceitarem, ela tem que lidar com algo que é bastante difícil para a maioria das pessoas e, pior ainda, ele tem que passar por isso quase sozinho. Na verdade, isso aconteceu com um amigo muito próximo de Bäd,  é daí que a inspiração veio.
Gravar a música foi bem fácil. Nós estávamos tão conectados com essa música que todo o processo foi muito natural.

Wagner Barbosa: Eu queria ter algo realmente para falar sobre a produção desta música, mas a história por detrás dela me deixou um pouco triste, perder uma namorada sempre é terrível, mesmo que depois agente consiga outra que nos fará até melhor que a que se foi, o momento da perda é sempre traumático. A parte técnica dessa música foi muito bem desenvolvida ela transmite com clareza os sentimentos profundos para aqueles que a sabem escutar com a alma.

 

6- Conte-nos sobre a produção do single “Fantasmas Del Passado”:

A: A história engraçada é que essa música foi originalmente escrita em inglês e chamada de Ghosts of the past. Mas como todos somos falantes nativos de espanhol, tivemos algumas conversas sobre como fazer uma versão em espanhol também. Decidimos gravar essa versão porque a música é meio pesada para os padrões do Hard Rock mexicano, então pensamos que talvez a letra em espanhol desse ao single uma chance maior de sucesso. Foi uma evolução muito grande no som da banda, pois foi a segunda vez que produzimos e gravamos por inteiro, e tivemos a chance de aprender com os erros que cometemos durante o “Sol de Invierno”. O resultado foi além das nossas expectativas, quando a música recebeu mais de 9 mil reproduções no Spotify.

Wagner Barbosa: Realmente esta música é um grande marco na história musical de vocês, é um verdadeiro hit  da banda, os traços da mesma foram muito bem arquitetados, o baixo, as linhas vocais, a letra foi um trabalho surpreendente para uma gravação completamente amadora.

7- Conte-nos sobre a produção do single “Cuando Seas Grande”:

A: Foi o primeiro cover que decidimos produzir e foi porque é uma música muito popular e inspiradora para a cena latino-americana dos anos 80, mas decidimos mudar isso com o nosso próprio toque. Como um fato curioso, a capa “Cuando seas Grande” foi carregada no canal do YouTube de um artista muito famoso, chamado Alejandro Sanz. Não sabemos ao certo como foi parar no canal oficial dele, mas também trouxe uma boa quantidade de ouvintes em nosso caminho.

Wagner Barbosa: Interessante! Não conhecia Alejandro Sanz irei pesquisar mais acerca da carreira deste cantor, e quanto ao single tudo que me referi aos singles citados acima podem ser aplicados a este, linhas vocais, parte técnica tudo muito bem desenvolvido.

8 – Como foi trabalhar de forma independente na produção desses singles?

A: Muito exitante. Nós realmente esperávamos que as músicas colocassem nosso nome de alguma forma no radar, e sempre é satisfatório quando você atinge suas expectativas. No entanto, assim como todo primeiro passo para qualquer banda, sempre existe esse medo de fracassar e, no começo, considerando que a produção era completamente caseira, estávamos hesitantes em relação à nossa própria produção. Sabíamos que fizemos todo o possível para dar o melhor do que tínhamos na época e, como se viu, todos os singles foram bem recebidos.

Wagner Barbosa: Realmente a produção de forma independente é algo extremamente trabalhoso, imagino o quão difícil isto foi para todos vocês.

Vamos agora falar sobre outros assuntos interessantes sobre a banda.

9- Qual o som da cena latino-americana que mais te inspira?

A: Essa resposta está dividida principalmente em dois países: México e Argentina. Nós, como banda, obviamente temos gostos musicais diferentes, mas todos podemos concordar que, quando se trata de SodaStereo, Cristal y Acero, Café tacuba, Coda, DLD, Miguel mateos, eles são definitivamente uma influência do rock latino-americano em nosso som. No entanto, se você der uma olhada na lista, não verá nenhuma banda de hard rock em espanhol, porque não há muitos de nós por aí, mas pretendemos colocar o hard rock latino-americano no mapa.

Wagner Barbosa: Realmente são raríssimas as bandas de Hard Rock que não cantam em Inglês eu não estou lembrado de nenhuma na verdade, já conheci até bandas da Grécia que faziam Hard mas cantavam em inglês, quem sabe vocês não estejam dando um ponta pé inicial para a quebra de um grande paradigma.

10- Durante esses anos de existência da banda em algum momento  vocês pensaram em desistir da jornada diante de alguma dificuldade?

A: Houve momentos desafiadores na evolução da banda, Bädcef e Yoss foram os únicos membros que restaram na banda devido aos outros membros tomarem caminhos diferentes. É claro que às vezes você se pergunta se vale a pena, mas esperávamos que as pessoas certas para o projeto chegassem, e lembramos que, nesses momentos, nos concentramos em escrever músicas novas e melhores para os próximos tempos. No final, nos encontramos e hoje em dia podemos dizer que esta é a melhor formação que a banda já teve e que nosso álbum de estréia é o melhor trabalho que já fizemos como banda.

Wagner Barbosa: Entendi!

11- Diga aos seus fãs algo engraçado que já aconteceu no caminho, ou, durante um show ou ensaio.

A: Lembramos de um show que fizemos alguns anos atrás no EXA LIVE (um local de estação de rádio no México) entre outras bandas. É uma história engraçada, porque basicamente tivemos que pedir aos organizadores que pudessem fazer uma verificação de som antes do show, e eles mal concordaram, mas quando chegamos ao local, opa! esquecemos o baixo em casa e foram 30 minutos apenas para recuperá-lo. Na época, ficamos com raiva um do outro e estávamos realmente estressados. Obviamente, não pudemos fazer a verificação do som, mas os pais de Bädcef foram capazes de trazer o baixo cerca de meia hora antes do início do show. Até hoje, ainda não está claro se foi culpa de Yoss ou Bäd, mas agora nos lembramos daquele dia com um sorriso no rosto, e toda vez que temos um show chegando, sempre nos lembramos para garantir que o baixo esteja connosco.

Wagner Barbosa: Moral da história verifiquem sempre o baixo { risos}, falando sério agora tocar para um grande público sem poder passar o som antes, realmente não deve ter sido fácil, mas no fim tudo deu certo e isto é o que importa.

12 – Onde você atuou pela última vez? Conte-nos um pouco sobre isso.

A: Nosso último show foi em um pub chamado HOBOS na cidade de San Angel, no México, foi um show fantástico, com muitos fãs apoiando nossa música e, pela primeira vez, eles estavam cantando conosco nossas músicas. Nosso plano era fazer um último show antes de focarmos completamente na gravação do álbum, mas esse foi um dia tão bom que sentimos falta dele por um tempo, muito mais nesses tempos de quarentena.

Wagner Barbosa: Que legal cara! Isso é sempre um puta sinal para qualquer banda, é o som de vocês pegando na cabeça da galera, é aquele tipo de coisa irada que todo jovem sonha quando pensa em montar uma banda.

13- De todos os shows já realizados, quais foram os mais marcantes?

A: Nós éramos a atração principal de um pequeno festival em uma cidade chamada Temoaya em Toluca. Fomos convidados a ser a atração principal porque tínhamos fãs por lá e esse fato é provavelmente o que mais nos surpreendeu. Foi um dia incrível em que as pessoas pediram nossos autógrafos e fotos, o show soou incrível e as pessoas estavam tão barulhentas e alegres como nunca ouvimos antes. Naquele momento, percebemos que estávamos no caminho certo com a nossa música.

Wagner Barbosa: Isso é realmente muito bom cara! Quando o público começa a valorizar o trabalho de uma banda isto realmente é gratificante para quem o produz.

14- Agora falaremos sobre o futuro, quais são seus projetos para o futuro?

A: No momento, o único plano que temos é bastante vago: manter a nossa música em alta. Esses tempos sem precedentes, nos quais todos ficam em casa (como deveriam!), São particularmente difíceis para os aspirantes a artistas, devido a uma grande variedade de razões. Como não está claro quando será seguro poder tocar ao vivo novamente, nossos planos mudam todos os dias com base em qualquer nova informação que seja divulgada. mas em termos gerais, nosso plano é lançar nosso álbum de estréia e continuar a escrever novas músicas para todos vocês.

Wagner Barbosa: Realmente são tempos difíceis, mas quando tudo isso passar o público poderá aguardar ansioso pelo vosso trabalho. 

Agora, vamos lidar com outras questões relacionadas ao mundo da música.

15- Cite algumas bandas que emergiram da mesma cena que vocês, e comentem acerca do Underground local.

A: Café Tacvba e DLD são provavelmente as maiores bandas que surgiram na Ciudad Satélite. É sempre inspirador pensar que alguns dos locais em que tocamos são os mesmos em que começaram.

Wagner Barbosa: Não as conheço mas procurarei conhecer.

16- Se vocês pudessem colaborar com uma banda ou músico atual, quem seria?

A: Honestamente, colaboraremos com quem o desejarmos. Vemos isto como um cenário em que ambas as partes podem aprender com os erros uma da outra e, na pior das hipóteses, se colaborarmos apenas uma vez, provavelmente continuaremos amigos e a apoiar os projetos um do outro. No entanto, temos em mente colaborar com alguns dos maiores nomes do rock mexicano, nomeadamente a DLD.

Wagner Barbosa: Quando uma banda se junta com outro em algum projeto realmente ambas sempre tem algo a aprender uma com as outras.

17- Se você pudesse tocar em qualquer festival do mundo, qual escolheriam e porque?

A: Na verdade, fizemos essa pergunta a nós mesmos e escolheríamos Dominação no MXC. Geralmente, abrange todo o espectro do rock-metal e está em nosso país, o que dá muito sentido.

Wagner Barbosa: Entendi! Realmente o som de vocês está muito ligado ao cenário nacional mexicano, isso é muito interessante.

18- Se você pudesse mudar uma coisa sobre a indústria da música, o que seria ?

A: Bem, isso é de fato uma pergunta difícil, porque todos com certeza têm uma opinião diferente, mas da nossa perspectiva e em nosso país, seria incrível ter mais apoio na cena independente / emergente do governo ou de grandes gravadoras.

Wagner Barbosa: A cena independente como um todo precisa de mais apoio, fico feliz do plugmetal.com ser um desses caminhos de apoio a bandas independentes.

19- Citarei dez clássicos do Hard Rock nos digam por favor se algum deles faz parte de vossas influências e caso positivo o que representam para si:

1) Deep Purple- “Smoke on The Water”

A: Esta é provavelmente a primeira música que todos tentamos tocar quando compramos um violão. Nós sempre olhamos para ela com alguma nostalgia. Curiosamente, a maior influência que Ian Gillan tem sobre Bäd não se deve ao Deep Purple, mas à partitura original de Jesus Christ Superstar.

Wagner Barbosa: Essa música marcou realmente a vida de muita gente, quando eu tinha meus 15 anos isso á muito tempo atrás { risos}, gostava de ouvir o som desses caras todos os dias, o Deep Purple  a música como um todo.

2) AC/DC- “Highway to Hell “

A: Essa música é realmente importante para nós como banda, pois é um dos primeiros covers que conseguimos tocar em um nível satisfatório. Na verdade, nossos primeiros shows tiveram como DEVE Highway to Hell ou Back in Black.

Wagner Barbosa: Essa música é outra que realmente é nostálgica e foi de fato uma influência para bandas de todo o mundo, me lembro de comprar numa banca de jornal meu primeiro DVD do AC/ DC com o Bonn Scott nos vocais, esse cara era um vocalista fora de série foi muito triste o seu fim. 

3) Ratt – “Round and Round”

A: Falando sobre festivais de música, quando nós, como banda, vimos o Ratt no ano passado, percebemos que o que eles faziam era muito próximo do que almejávamos, então assumimos a tarefa de analisar seus melhores sucessos e tentar usar algumas das figuras que eles usam. Acabamos adquirindo algo completamente diferente, mas pelo menos como ponto de partida, isso nos ajudou a encontrar nossa voz.

Wagner Barbosa: Eu não imaginava que eles tinham sido uma influência tão grande assim, gosto muito do som deles, essa música marcou minha vida.

4) Kiss – ” Detroit Rock City”

A: Essa música traz arrepios literais. A maioria da banda teve a oportunidade de ver o Kiss no ano passado, e eles abriram o show com isso. Nós somos obcecados como uma banda por ter não apenas um show, não apenas uma apresentação, mas um show de verdade, e provavelmente não há exemplo melhor do que ver o Kiss no palco.

Wagner Barbosa: Realmente a presença de palco deles é absurda e está música bem eu diria que está na lista dos maiores clássicos de toda história do rock .

5) Aero Smith- “Dream on”

A: O Aerosmith é uma das bandas mais lendárias do Hard Rock, e temos muito mais influência deles do que mostramos, mas o que realmente amamos em sonhar é que o som deles  é uma música na qual (pelo menos ao vivo) o Piano assume toda a liderança e tudo ainda parece estar se movendo muito rápido. Esperamos que um dia tenhamos nosso próprio sonho, onde Yoss possa pisar em cima de um piano para tocar seu solo.

Wagner Barbosa: Um som acima da média é oque eles fazem apesar de eu não ser tão fã assim, mas eles são melhores que muita coisa que está por ai.

6) Van Halen- “Running With The Devil”

A: Eddie e David são influências reais no som da banda, especialmente na maneira como damos alguma estrutura às nossas músicas.

Wagner Barbosa:Para muitas bandas eles também foram influência, quando eu era mais atlético costumava pular quando eles cantavam “Jump” {risos}.

7) Def Leppard – “Photograph”

A: A maneira como Def leppard faz uma seção de coro com todas as vozes implícitas foi e ainda é uma grande influência na maneira como fazemos nossos refrões, especialmente nas canções Photography  e Histerya.

Wagner Barbosa: Interessante colocação.

8) Mötley Crüe – “Dr. Feelgood”

A: Essa música tem muito poder para nós e, na verdade, tocamos uma ou duas vezes em nossas vidas, e alguns dos riffs que o yoss cria são fortemente inspirados pela cena glam rock / metal dos anos 80 e, na maioria das vezes, pelo GNR.

Wagner Barbosa: Esse som realmente é inspirador.

9) Twisted Sister – “I Wanna Rock”

A: Na verdade, começamos a compor “Devil’s night”, do nosso próximo álbum, pensando um pouco nessa música. Yoss e Bädcef estavam experimentando quais tons na guitarra poderiam dar mais poder à voz de Bäd, e ao cair em F e improvisar algumas letras (“Foi uma noite longa”, a primeira frase da música saiu dela), e Izzy notou que esse tom em particular deu à voz a sensação de “eu quero rock-ish” e, como todos podemos concordar que é uma ótima música, seguimos essa linha.

Wagner Barbosa: Entendi!

10) Scorpions- “Rock You Like A Hurricane”

A: Quando a banda começou em 2012 (na verdade, a banda foi chamada de freelancer), essa música foi uma das primeiras músicas que Bädcef e Yoss tocaram juntos, e hoje em dia é uma das músicas em que Izzy Bacellis toca incrivelmente bem toda vez que a tocamos.

Wagner Brabosa: NDA

20- O que você tem feito para manter a banda unida nestes tempos de pandemia do vírus Corona?

A: Realizamos reuniões de vídeo regulares nas quais falamos sobre o presente da banda, nossas estratégias, nosso futuro. No momento, suspendemos os ensaios da banda, mas todos estamos ensaiando por conta própria. Realmente não fizemos nada em particular para “manter a banda unida”, pois mantemos todas as nossas atividades normais da banda, exceto nosso ensaio coletivo.

Wagner Barbosa: Entendi! Realmente esta pandemia está complicado a vida de  muita gente, mas logo nós deveremos sair disto.

Mais uma vez obrigado pela entrevista,  deixo este espaço aberto para que vocês deixem uma mensagem especial ao público.

A: Queremos enviar um grande abraço metafórico do México até onde quer que todos os fãs do Plugmetal estejam lendo isso. Não se esqueça que o álbum de estréia de Rockatessen, “Somos”, será lançado este ano e o primeiro single chamado “Hombre Calavera” estará disponível no dia 3 de julho em todas as plataformas digitais. Enquanto isso, você pode conferir as faixas sobre as quais lê em todas as nossas plataformas digitais.

Siga a banda nos seus links sociais: Site Official | Facebook | Instagram | Youtube | Spotify | Apple Music

 

Por favor compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •