Plugmetal Magazine

Pesquisar
Pesquisar pelo termo exato
Pesquisar por título
Pesquisar pelo conteúdo
Pesquisar por trechos
Filtrar por postagem
Posts
Conteúdo do dia:

Entrevista com a banda Alluvion

Primeiramente quero agradecer a todos da Alluvion pela entrevista.

Nesta primeira parte da entrevista eu gostaria que vocês nos falassem sobre a sua discografia.

1- Conte-nos a respeito da produção dos seguintes álbuns:

1) Alluvion:

A:  Bem, como esse foi  tipo o nosso álbum de retorno, acho que ainda estávamos sentindo o nosso processo de composição e encontrando nosso som. Estávamos reformulando as músicas antigas deste álbum, além de ter novas composições, foi um momento muito criativo. Nós tivemos uma experiência de aprendizado para gravar juntos em nosso próprio tempo e em nosso próprio espaço para reunir a Alluvion do passado com a Alluvion como a conhecemos agora – Brian (Bass, produção).

Plugmetal Magazine: Esse processo de reformulação tem muito a dizer sobre a identidade musical de vocês, digo ao escutar o som da Alluvion nós percebemos um misto de influências das mais variadas classes, compostas com uma mescla de ousadia e originalidade, é aquele tipo de som que sempre está disposto a nos surpreender, é do tipo tipo “Cara olha como esse som se transforma”, é algo que eu realmente gosto de ouvir, moderno mais sem rejeitar as raízes do clássico, atual e ao mesmo tempo futurista, as linhas vocais, os acordes de guitarras, os altos e baixos nas cordas vocais é algo realmente agradável , até mesmo a noção de mudança de tempo é boa o que não torna a música enjoativa logo após o primeiro minuto.

A: Este álbum foi de quando reformamos a banda  depois de quase nove anos, então tivemos a oportunidade de dar vida nova a algumas de nossas músicas antigas. Descubra o nosso som e  descobrirá a nós mesmos. -Andy (bateria).

Plugmetal Magazine: Este tipo de trabalho me lembra o que fez o Death com antigas composições do Mantas, eles conseguiram dar uma sobrevida completamente nova a músicas de um fase antiga do projeto deles, e o mesmo é visto neste trabalho de vocês com a diferença que o nome da banda continuou o mesmo, as vezes conversar colocar as idéias em dia e ver aquilo que pode ser melhorado ou mudado faz bem para a carreira de qualquer banda, ainda mais para veteranos de vinte anos de estrada como é o vosso caso.

2) Of the One Consciousness:

A: Durante a escrita deste álbum, gravamos um EP chamado Reverberations. Nós continuamos escrevendo mais e mais músicas! Então, essas faixas tocam bem juntas nos shows. Acho que até conversamos sobre gravar algumas das músicas do OTOC para o álbum Reverberations. Quando tocamos ao vivo do Critters, que se tornou um marco nos shows do Alluvion, sinto que sempre foi para estar com as músicas do OTOC. Mas estou feliz que as músicas do OTOC tenham sido gravadas separadamente porque o Reverberations tem seus próprios problemas, que levaram de 6 a 8 meses para serem gravados!

OTOC literalmente levou apenas um mês do início ao fim. É o álbum que mais me orgulha, porque todos nós estávamos no ponto com nosso som e performances! Quase tudo foi feito em uma ou duas tomadas. A banda estava tocando tantos shows naquela época que incluíam a maioria dessas músicas que, quando as gravamos, dançamos por elas! O álbum é sombrio, louco, corajoso, traz um pouco de doomy, metal, rock e  tudo ao mesmo tempo. E nós realmente não fizemos muito para melhorar, porque eu pensei que precisava dessa escuridão. Este é um álbum de uma banda que encontrou seu som e adora tocar cada segundo de todas essas músicas! -Brian (Baixo, produção).

Plugmetal Magazine: Este álbum realmente trás uma mistura de tantos elementos de uma forma bem agradável, faz alguns anos que o escutei, a partir de OTOC a banda começou a demonstrar os traços mais óbvios de sua originalidade e qualidade é aquele puta som que agradará aos ouvidos mais atentos em Rock e Heavy Metal, tem uma pegada que lembra coisas tipo Thinn Lizzy, e ao mesmo tempo um lance que flerta com os extremos da cultura Heavy Metal sendo sorrateiramente suavizados e retornando ao Rock, é um trabalho fantástico.

A: De natureza exploratória. Procurando todos os tipos de novos sons e imagens. -Andy

Plugmetal Magazine: Isto é nítido neste trabalho como mencionei acima, vocês exploraram criativamente falando uma gama enorme de possibilidades sonoras disponíveis a época e o resultado final realmente foi incrível, é prazeroso aos nossos ouvidos escutar este tipo de som, a parte ruim é quando ele acaba.

3) The Secret’s Out:

A: Como diabos você acompanha OTOC ?! Você tem que ser ainda mais rock e experimental. Ao escrever essas músicas, eles eram loucos! Mas fizemos algo diferente com este álbum. Nós escrevemos tudo por mais ou menos meio ano, depois gravamos uma sessão de ensaio de pré-produção de todo o álbum, em seguida ouvimos sem parar o dia inteiro todos os dias durante semanas, depois usamos isso para afinar as músicas e então passamos as gravações. O que eu senti foi perder a coragem e a escuridão, mas manter um pouco da loucura e definitivamente isso arrasou mais.

É um álbum muito sólido. Não há muitos problemas com a gravação, mas demorou muito tempo para mixar, porque eu estava me arrastando um pouco lol! Lembro-me de mandar para os caras algumas mixagens diferentes das mesmas músicas e depois me cansar! Isso acontece lol! Mas no final eu precisava de um tempo extra, porque eu estava realmente tentando encontrar uma maneira de juntar todas as músicas. Nossas introduções e partes intermediárias permitem que nossas músicas se juntem, eu acho que faz com que seja uma experiência do começo ao fim. E nesse álbum eu comecei a fazer isso com a introdução do álbum, som FX em Mayday e a merda absolutamente louca e estranha antes e durante a faixa-título … o que eu fiz nos meus pijamas o dia todo com uma xícara de café na minha mão! -Brian (Baixo, produção).

Plugmetal Magazine: Foi realmente um processo bem trabalhoso pelo que pude perceber, mas o resultado foi compensatório, pois, realmente ficou muito bom.

A: Nós aprimoramos tudo neste álbum e realmente capturamos o que estabelecemos o tempo todo, sabe não é nada  de um gênero musical específico e, ao mesmo tempo, mantivemos sua ousadia. É uma merda {risos}. -Andy

Plugmetal Magazine: Se tudo que não pudermos definir fosse intitulado de merda, mais da metade da cena Heavy Metal seria uma bosta {risos}, essa indefinição é o que torna o trabalho de vocês e tantas outras bandas algo realmente relevante, eu diria verdadeiramente original, você sente um pouco de influência de vários estilos ao mesmo tempo o som não pertence a nenhum nem outro.

Agora falaremos sobre a formação da banda.

2- Como os integrantes da banda se conheceram?

A: Classe escolar de 1998, nós éramos do grupinho de música e metal, aqueles foram bons tempos começavam os
shows e viagens memoráveis e nós agindo como garotos loucos, tudo isso refletido em nosso música, aqueles foram tempos memoráveis.

Plugmetal Magazine: A rebeldia da juventude os acertou em cheio pelo visto, muitas outras bandas em seu início também tinham histórias bem loucas para contar, infelizmente estes tempos foram sepultados no passado.

3- Quais atividades o Alluvion estava realizando antes da pandemia de Corona Vírus?

A: Antes do vírus e das conseqüências desastrosas do mesmo para a civilização, e para vida como a conhecíamos, ficávamos extremamente ocupados fazendo shows, agendando nossas próprias turnês e pegando a estrada, praticando semanalmente e escrevendo novas músicas. -John

Plugmetal Magazine: Esta pandemia realmente complicou a vida de muitas pessoas o mundo infelizmente não será o mesmo tão cedo, isto é se o uso de máscaras não acabar se tornando algo recorrente para todos os que se sintam gripados ou com  alguma doença, nós realmente não sabemos como será daqui para frente e isto é um pouco desesperador, mas voltando a falar sobre o trabalho de vocês, é bom saber que estavam tão ativos antes da Covid 19.

4- Quem escreve as letras da banda?

A: John Harmon, Stephen Sullivan, e quem quiser conversar com algo de bom. -Andy

Plugmetal Magazine: Um processo bem democrático pelo visto, isto é muito bom.

5- Como geralmente ocorre o processo de produção de uma música ?

A: De 1 mês a 1 ano … mais ou menos. Depende do que está acontecendo na nossa vida e também com que frequência podemos escrever e ensaiar; continue fazendo shows e encontre o tempo adicional necessário para o resto é assim que pensamos. -Andy

Plugmetal Magazine: É uma vida muito bem vivida a forma como vocês produzem os vossos trabalhos { risos}, as vezes acho que todos nós precisamos de um pouco dessa aventura que movimenta o trabalho de vocês, digo este espírito aventureiro, desbravador e inovador, é o tipo de coisa que move a música para o futuro.

A: em qualquer lugar de 1 mês a 1 ano … mais ou menos. -Brian (Baixo, produção).

Plugmetal Magazine: Cara que droga teci um comentário acima que  já abrange o teu, vamos tomar umas cervejas porque eu não tenho mais nada para dizer, a primeira dose é por minha conta { risos}.

6- Ao ouvir o som de vocês conseguimos notar uma mistura de vários elementos do rock e isto nos soa muito bem, de onde veio a inspiração para serem tão originais?

A: É engraçado, porque nossas inspirações são exatamente o que nos torna tão originais. Nossos gostos pessoais e interesse pela música se fundiram ao longo dos anos, mas, ao mesmo tempo, nossos interesses ainda são quase opostos! Cada um de nós ama gêneros / estilos e texturas completamente diferentes.Tanto é assim que acho que não conseguiríamos nem ter nosso próprio som, mesmo que tentássemos! Puxar de tantas fontes diferentes em todo o espectro musical e encontrar maneiras de fazer o que cada um de nós gosta de ouvir e tocar, sabe trabalhar juntos é definitivamente um dos nossos pontos fortes. -John

Plugmetal Magazine: Esse realmente é um diferencial na trajetória musical de vocês, torna tudo tão divertido e agradável ao final, tem muita harmonia dentro daquilo que vocês fazem, é um trabalho com muitas virtudes, misturam tantos elementos e ao mesmo tempo tornam isso audível.

A: Estamos em uma tonelada de coisas diferentes. Nossas influências vão e vão! Eu, pessoalmente, gosto de tudo, desde metal, hip hop, jazz e tudo o que parece inspirado. Ultimamente, gosto muito de música ambiente. -Stephen (guitarra).

Plugmetal Magazine: Somos muito parecidos acho que podemos tomar umas cervejas juntos algum dia { risos}, também me agrada um pouco de cada coisa, mas de cada coisa boa, eu acredito que existe boa música por todos os lados, mas tem coisas que eu realmente não ouviria é questão de gosto, mas na linha de suas influências eu estou em casa, Hip Hop, Jazz , Musica Ambiente são boas coisas realmente merecem ser contempladas.

A: “Costumo procurar inspiração em tudo. Onde quer que eu possa encontrá-la, por sua vez, isso me incentiva a tentar algo que possa inspirar. ” Nossas influências vêm de muitos tipos diferentes de fontes sabe nada é forçado ou tenta fazer jus a um clichê. -Andy

Plugmetal Magazine: Isto reflete diretamente no som de vocês e acentua a vossa originalidade. 

7- Durante estes vinte e poucos anos de existência da banda em algum momento vocês pensaram em desistir da jornada frente á alguma dificuldade?

A: De fato, isso aconteceu conosco. Se estavam formando outras bandas, projetos ou experiências de vida, mas
algo foi capaz de nos reunir novamente. -Andy

Plugmetal Magazine: Que bom que esse “algo” unificador entrou no caminho de vocês e fez com que a banda prosseguisse, infelizmente ou felizmente muitas bandas não encontraram este laço de união, isso é difícil de mensurar eu diria impossível afinal quem imagina o Heavy Metal sem o Megadeath por exemplo, mas se o vocalista não tivesse sido expulso do Metallica eles não existiriam e talvez ninguém saberia quem é James Hetfield, já imaginou que trágico { risos}.

A:  A vida pode definitivamente ser muito imprevisível e tivemos nosso quinhão de altos e baixos, mas a música sempre foi um dos “altos” para nós, se você entende o que quero dizer. Somos extremamente apaixonados por isso e acho que isso nunca mudará. -Stephen (guitarra).

Plugmetal Magazine: É essa variada mistura de tons, partituras, notas, estilos, letras, designer que torna vocês unidos, a banda tem uma paixão efervescente por tudo aquilo que realizam e isto é ótimo. 

8- Conte a seus fãs algo engraçado que já tenha ocorrido no caminho, ou, durante algum Show, ou, ensaio.

A: Bem algo de engraçado, eu diria que nós temos um grand finale em nosso set, onde ele fica louco de barulho e efeitos visuais é uma mistura quase que inexplicável. O som voa para fora da caixa, digo daquilo que se é esperado para o final de um show,  é uma boa diversão. -Andy

Plugmetal Magazine:  Realmente isto me soa bem divertido me lembra um pouco algumas coisas que fizeram os falecidos Mamonas Assassinas e a banda ainda ativa Massacretion ambos do Brasil, os recomendo ouvir.

A: Eu tive alguns deslizes muito engraçados ao longo dos anos! Eu caí para trás sobre meus amplificadores, certa vez caí do palco e chutei coisas por acidente, todos os tipos de coisas loucas. Muitas vezes é porque não consigo ver nada por causa dos raios que usamos (luzes estroboscópicas). Mas tudo vale a pena. Não é rocknroll se não é louco. -Stephen (guitarra).

Plugmetal Magazine: Espero que nunca tenha quebrado nenhum osso com esses acidentes, enquanto alguns se acidentam como é o vosso causo, o pessoal do Grind Core faz estas cousas de propósito, mas no fim em ambos os causos a história ficam bem louca, e no final o rock tem muito disto mesmo.

9- Em qual lugar vocês aturam pelo última vez? Conte-nos um pouco sobre isto.

A: Eu trabalho com manutenção quando não estou tocando música, mas meu trabalho realmente me permite fazer minha música a minha vida. Eles andam juntos de alguma maneira. -Stephen

A: Eu sou motorista de caminhão de um distribuidor de álcool … o que é mais metal que isso ?! -Brian

A: Operação e manutenção de caldeiras a vapor. -Andy

Plugmetal Magazine: Certo alguma coisa não saiu direito o mundo não é perfeito { risos}, e agora sabemos sobre o outro trabalho de cada um de vocês, a minha intensão era saber o último lugar que vocês realizaram um show mas tudo de bem prossigamos com a entrevista que o tempo urge { rs}.

10- De todos os Shows já realizados quais foram os mais marcantes?

A:Tivemos alguns shows de lançamento de discos realmente arrasadores. Um que se destaca em particular é o da Consciência Una. Era o nutz, este show foi tão incrível, estava lotado de pessoas empolgadas com o nosso som, por isto tivemos que afastar algumas pessoas.
Tivemos alguns passeios para algumas noites realmente incríveis. -Stephen

A: Poleila roxa!

Plugmetal Magazine: Isto realmente é grande! Shows aonde se lançam novos trabalhos creio que são sempre incríveis. Esta é uma parte importante na carreira de todo artista e tipo é o momento em que vocês trazem algo de novo ao ouvido de seu público, tem sempre aquela magia inicial na qual a música emerge a todos nós, é um momento realmente único.

12- Falaremos agora do futuro, quais são os seus projetos para o futuro?

A: Uma vez que  esta pandemia termine e os locais sejam abertos novamente, nós poderíamos fazer nossa parte em meio a sociedade para obter alguns benefícios em prol das pequenas empresas que foram impactadas pela pandemia. Bem como algumas músicas novas do Alluvion. -Andy

Plugmetal Magazine: Bons projetos, boas idéias, a parte social da banda também é algo muito importante, para além do som de extrema qualidade sonora , o Alluvion também busca se inteirar em causas humanitárias e sociais na medida do possível, e creio que isto sempre será um algo a mais no projeto de vocês.

13- Citem algumas bandas que emergiram da mesma cena que vocês e comentem acerca do Underground local.

A: Ah! mano existe  uma cena realmente incrível aqui. Tipo nós temos shows muito bons quase todo fim de semana e das bandas eu poeria citar: Genosha, Flood the Asylum, Black Matter Device, Disease Earth e Calling Down Fire são algumas bandas de metal que posso citar do alto da minha cabeça, mas isso continua e continua. Eu também amo essa banda pós-punk chamada Ceremony East Coast.

Definitivamente vale a pena conferir! -Stephen

A: Rainbow Truth

Plugmetal Magazine: Boas bandas, o metal e o rock como um todo está abarrotado de boas bandas, é impossível infelizmente se escutar tudo aquilo que está disponível no mercado mesmo assim todos podemos contribuir para que esta cena cresça cada vez mais e mais.

14- Se vocês pudessem colaborar com uma banda ou músico atual, quem seria?

A:  Dax Riggs, ou Frank Ocean!  -John  

Plugmetal Magazine: Boas escolhas, bons nomes estes, acredito que a contribuição de vocês para estas bandas seria enorme, principalmente no Dax Riggs acho que eles tem muito haver com o som de vocês, seria uma relação de grande aprendizado para ambos os lados.

A: :  The Melvins, ou Alice Cooper.- Andy

Plugmetal Magazine: Grandes escolhas Andy, o Alice Cooper é um sujeito motivado por um grande espírito inovador vejo em certos aspectos uma forte influência dele em vosso som, a experimentalidade é algo que flui bem em ambos, é quase que algo natural.

15- Se vocês pudessem tocar em qualquer festival do mundo, qual escolheriam e por quê?

A: Eu adoraria tocar no festival SXSW do Texas. O objetivo de fazer o maior número de shows em 3 dias e eu adoraria estar à altura desse desafio. Alguns amigos nossos fizeram 11 shows em 3 dias e pareciam loucos! -Stephen

Plugmetal Magazine: Depois de tantos shows em pouco tempo todo mundo precisaria de umas boas doses de Whiskey ou cerveja e quem sabe algumas massagistas {risos}, eu realmente acho uma loucura esta ideia de tantos shows em pouco tempo, mas isto realmente é uma coisa que grande músicos fazem corriqueiramente, então o desafio seria válido.

A: Qualquer. Independentemente do tipo, teríamos um tempo maravilhoso em ação e devolveríamos aos espectadores. -Andy

Plugmetal Magazine: Partindo de vocês isto realmente seria um tempo muito valioso, eu realmente gosto muito do som de vocês é tão bom quanto o tilintar de um copo cheio de cerveja { risos}, um pouco da boa música de vocês e uma boa dose de álcool são suficientes motivadores de um dia qualquer.

16- Se vocês pudessem mudar uma coisa sobre a indústria da música, o que seria?

A: O marketing corporativo que monopoliza as ondas de rádio. -Andy

Plugmetal Magazine: Isto realmente é um grande problema através deste tipo de ação muitos trabalhos bons, sérios e comprometidos de música acabam ficando longe das ondas de rádio e por usa vez dos ouvintes, e assim a boa música vai sendo morta aos poucos, ou quase afinal várias iniciativas independentes como a Nuclear Blast Records, a Roadie Metal Assessoria, a revista Metal Hammer e o nós mesmos da Plugmetal.com e tantos outros, mantemos a cena da música rock viva.

17- Citarei dez clássicos do metal nos diga se alguns deles fazem parte de sua influência musical e caso sim , o que representam na sua vida.

1) Black Sabbath – “Paranoid”

A: Absolutamente! Tom, composição. Você não pode errar com Sabbath, eles são o inicio de tudo.-Stephen

Plugmetal Magazine: Acho que eles são referencia para toda e qualquer banda de metal, o som desses caras revolucionou para todo sempre a história da música, e depois vieram bandas como Judas Priest, Candlemmas, Trouble e a história da música nunca mais foi a mesma.

2) Metallica – “Master of Puppets”

A: Meu disco favorito do Metallica! Nunca envelhece. -Stephen

Plugmetal Magazine: Battery, Welcome Sanatorium e tantas outras belas composições, este trabalho do Metallica é uma das obras primas mais clássicas e históricas de toda a história do Trash Metal, também é o meu trabalho predileto do Metallica.

3) Judas Priest – “British Steel”

A: Sim! Eu amo a produção deste! -Stephen

Plugmetal Magazine: O Judas Priest tem um trabalho ímpar na história do Heavy Metal, além de serem os percursores do Power Metal, toda a nova faceta do Heavy Metal embalada na nova onda britânica foi desenvolvida por eles, esses caras deram todo o formato para o Heavy Metal Moderno, até mesmo as roupas que muitas bandas usariam nos anos 80 e 90 foram influência deles, sem o Judas o Heavy como o conhecemos seria bem diferente daquilo que hoje o é, talvez fosse algo como Black Sabbath nos primeiros álbuns, Candlemmas e Trouble como som de referência.

4) Blind Guardian – “Nightfall In Middle Earth”

A: NDA

Plugmetal Magazine: Embora o Blind Guardian não seja uma referência no som de vocês, eu gostaria de comentar um pouco sobre a importância desta banda para a música Heavy Metal, considero o Blind Guardian juntamente com Helloween  e Gutter Sirens um dos trabalhos mais relevantes dentre os já feitos quando falamos de Power Metal.

5) Iron Maiden – “The Number of the Beast”

A: Sim, essa banda é uma grande influência ela mudou tudo no cenário musical! -Stephen

Plugmetal Magazine: Respeito a sua opinião mais tenho certa dose de ressalvas a este tipo de informação, pois, não considero o Iron Maiden como sendo a peça principal da mudança no cenário Heavy Metal, acho que eles fizeram parte de um processo de mudança e adaptação da música metal para a sua própria sobrevivência, e neste processo que eles não fizeram sozinhos nós temos nomes como Judas Priest, Angel Witch, Satan, Grim Ripper e tantos outros, apesar de também gostar do trabalho produzido pelo Iron Maiden e de respeitar a sua história, considero nomes como Angel Witch, Satan e Grim Reapper muito melhores musicalmente falando e mais relevantes.

6) Slayer – “Reign in Blood”

A: Claro! Outro clássico. Este álbum e esta banda trouxeram grandes e importantes mudanças ao cenário musical.

Plugmetal Magazine: Realmente é o tipo de som que trouxe grande revolução a música metal, os riffs complexos, as distorções misturadas a agressividade vocal, numa playlist das bandas mais importantes de toda história do metal, Slayer com certeza figuraria no top 10.

7) Motörhead – “No Remorse”

A: Sim! Sim! Outro clássico.

Plugmetal Magazine: Esta banda está na lista das melhores de toda história, o Lemmy faz uma miserável falta para todos nós amantes de uma boa música, a trajetória deles rumo ao sucesso a forma como se consolidaram e a boa música que fizeram tudo isto foi realmente incrível.

8) Megadeth – “Peace Sells… but Who’s Buying?”

A: Clássico!

Plugmetal Magazine: Um som realmente muito bom e outro grande clássico, músicas como Hangar 18, marcaram a história do metal e tornaram o Megadeth um dos trabalhos mais relevantes dos últimos tempos principalmente porque ali se viu muito da base do Speed Metal,  forma como eles faziam Trash Metal tinha algo de diferente das demais bandas foi uma verdadeira revolução dos riffs e da agressividade.

9) Pantera – “Vulgar Display of Power”

A: Ah, o som do verdadeiro metal em sua forma mais pura! Eu nunca gostei muito de metal, mas por algum motivo eu podia ouvir Pantera por horas a fio. Este álbum realmente me mostrou como colocar toda a minha emoção e angústia em algo criativo e tangível … enquanto ainda me diverti muito! (Brian)

Plugmetal Magazine: O Pantera realmente tem um trabalho muito importante para o cenário Heavy Metal, nos anos 90 os caras sustentaram ou melhor fizeram a ponte para que o Metal continuasse a existir no século futuro ou seja o que vivemos atualmente, músicas como Cemetery Gates e Cowboys From Hell revolucionaram a música pesada , é uma pena que o vocalista desta brilhante banda  tenha certas opiniões que quase mancham a imagem da banda, felizmente opiniões absurdas de uma única pessoa não pode ser capaz de apagar o brilhantismo de musical de todo um coletivo.

10) Mercyful Fate – “Melissa”

A: Eu amo muito esse álbum. -Stephen

Plugmetal Magazine: Que bom que gostas deste trabalho, não tenho muito a comentar acerca disto , pois, não sei muito a respeito do som desses caras.

18- O que vocês tem feito para manter a união da banda nestes tempos de pandemia de Corona Vírus?

A: Tentar manter uma presença nas mídias sociais é definitivamente uma obrigação. Mas, na maioria das vezes, estamos dando um tempo. Nós realmente não fizemos uma pausa muito longa desde que voltamos, como em 2013, talvez. Nós estávamos tocando, escrevendo ou gravando sem parar. Então, relaxamos um pouco … mas estamos prontos para voltar a isso! (Brian)

Novamente agradeço pela entrevista e deixo este espaço aberto para que vocês deixem um recadinho especial ao público.

Solicito o envio de algumas fotos da banda e links socais da mesma, se possível enviem um pequeno vídeo com uma mensagem ao público de www.plugmetal.com, se desejarem podem enviar videoclipes de vocês para serem divulgados em nosso canal do youtube na secção videoclipes.

Deixamos para o público a nossa Biografia: Bem conhecido, mas não nos lábios de todos “, descreve a reputação da banda americana ALLUVION. O quarteto está no cenário rock desde 1998 e está se saindo bem em Vriginia, EUA. Em seu novo álbum” The Secret’s Out “, os músicos trazem o espírito do hard rock dos anos 90 em um brilho moderno e psicodélico e oferecem uma boa mistura de nostalgia e variedade ao público.

John Harmon III (vocal) canta principalmente em “The Secret’s Out”, mas em alguns lugares como “Husk” ou “DIY” ele tende a gritar. Mesmo que os gritos sejam usados ​​com moderação, o ALLUVION não carece de dureza, porque Stephen Sullivan (guitarra, vocais) fornece muito material.

Riffs simples, com um ritmo animado, forçam a cabeça a concordar automaticamente de acordo com a batida. O charme dos sons humildes e distorcidos da guitarra mostra como era a década de 90 e se harmoniza perfeitamente com a bateria. Eles sabem como fazer um bom som na música, como contraste, há a música “Weightlessness”. Uma melodia de guitarra levemente desarmônica percorre a faixa e inicialmente exala uma atmosfera leve de black metal, enquanto Brian Carnes (baixo) desempenha o papel principal nas transições com grandes saltos nas notas.

-STORMBRINGER AUSTRIAN MAGAZINE

Entrevista realizada por: Wagner Barbosa

Por favor compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •