Plugmetal Magazine

Pesquisar
Pesquisar pelo termo exato
Pesquisar por título
Pesquisar pelo conteúdo
Pesquisar por trechos
Filtrar por postagem
Posts
Conteúdo do dia:

Entrevista com a banda Neonfly

Primeiramente quero agradecer a todos da Neonfly pela entrevista.

Nesta primeira parte da entrevista eu gostaria que vocês nos falassem sobre as origens da banda.

1- Como os membros da banda se conheceram?

A: Paul e eu, e alguns dos membros originais da banda Neonfly nos conhecemos na faculdade em Londres e, como todas as bandas em seus primeiros dias, passamos por algumas formações de curta duração antes de chegarmos a um lugar mais estável. Apenas Paul e eu ficamos desde a primeira formação, com Willy sendo o próximo membro mais antigo. Ele entrou depois de gravarmos nossa primeira demo, mas antes do primeiro álbum. Então Willy, Myself e Paul estão em todos os lançamentos do Neonfly, e Dec é o nosso mais novo membro, que fará sua estréia em gravação conosco em nosso próximo álbum, que sairá em 18 de junho de 2021.

Plugmetal Magazine: Realmente interessante, conheço outras bandas em que o pessoal se conheceu na faculdade, ou então no colegial, existem várias na verdade, tendo talento até do espaço aparece gente querendo formar uma banda consigo {risos}. Esperamos  ansiosos pelo lançamento do novo trabalho de vocês, o som produzido pela banda tem muita qualidade e profissionalismo, linhas limpas nos vocais, um bom uso de driver, potencia vocal de boa qualidade, isto sem contar os músicos que são de qualidade ímpar, o trabalho de vocês realmente é excepcional.

2- Que atividades a banda estava fazendo antes da pandemia do Vírus Corona?

A: Parece que foi há muito tempo, não me lembro mais. Haha. Tínhamos acabado de gravar nosso terceiro álbum e assinamos um novo contrato de gerenciamento. Estávamos trabalhando com nosso novo empresário para garantir um bom lançamento para o álbum, mas então o vírus atacou e tudo mudou. Foi mais difícil conseguir ofertas no clima atual, mas eventualmente recebemos uma oferta e nosso álbum será lançado em 18 de junho de 2021 pela Noble Demon Records. Acho que se não houvesse uma pandemia, todo esse processo teria sido mais rápido e nosso álbum teria sido lançado em 2020, e teríamos feito uma turnê para promovê-lo … Agora temos uma data de lançamento para o álbum no verão de 2021, mas quem sabe quando poderemos fazer uma turnê!

Plugmetal Magazine: Interessante homem! Realmente a pandemia atrapalhou o trabalho e a vida de todo mundo, o Diretor Chefe de nossa revista perdeu a sua mãe para esta doença ano passado. Está sendo muito difícil para todos,  se não fosse o vírus realmente vocês podiam ter feito uma bela turnê para o novo álbum, haviam muitos bons shows marcados para 2020 todos infelizmente  cancelados e pelo que tudo indica nada shows este ano também.

3- Quem escreve as letras da banda?

A: Willy e eu escrevemos a letra. Às vezes escrevemos juntos, outras vezes separadamente.

Plugmetal Magazine: Bela parceria esta de vocês, a banda tem uma parte lírica muito agradável, é um som bem pertinente e antenado com o resto do cenário Heavy Metal.

4- Como geralmente ocorre o processo de produção musical?

A: Eu escrevo todas as músicas para a banda. Para este novo álbum especificamente, eu escrevi todas as canções. Então eu as mostro para o pessoal eles aprendem, nós as ensaiamos e está feito o nosso som. Ocasionalmente tentamos algumas ideias diferentes, fazer um experimento aqui ali, uma mudança de nota e tal, mas geralmente quando começamos a ensaiar, elas estão 99% lá.

Plugmetal Magazine: É um trabalho bem versátil este, o som da banda tem muita qualidade como já fora mencionado acima. Sinto uma mistura de vários fatores, aquele som com uma pegada moderna e ao mesmo tempo clássica, que passa por um pouco de melódico com algumas flertadas do driver agressivo presente no Thrash Metal, na música ” Venus” por exemplo que teve a participação da  Dani Divine, o som da banda flertava com uma pegada Thrash nos drivers e logo em seguida tudo muda completamente com um ótimo controle de tempo e uma boa passagem de som, incluindo alguns elementos presentes Gothic Metal para em seguida voltar á uma pegada mais experimental de flerte com o som  Thrash, realmente algo muito interessante.

Agora nós iremos falar acerca da vossa discografia:

5- Nos conte acerca da produção do EP “Clever Disguise” de 2008.

A: A maior parte disso foi produzida no meu quarto! Fizemos os vocais em um estúdio de ensaio… e os tambores foram programados. Não tínhamos orçamento nenhum! Mas eu acreditava nessas músicas. E a maioria deles acabou regravado para o nosso álbum de estreia “Outshine The Sun”.

Plugmetal Magazine: O EP realmente trouxe boas canções e os fez começar a serem conhecidos, o Neonfly surge no berço  do Heavy Metal e tendo a qualidade musical que vocês tem já era esperado que conseguissem algum destaque, a música “Alone” cujo o vídeo clipe fora publicado em Dezembro passado em vosso canal do Youtube é sem sombra de dúvidas um dos melhores trabalhos melódicos dentre os feitos entre 2019 e 2020.

6- Agora nos digam algo sobre o álbum “Outshine the Sun” de 2011 que foi um verdadeiro abridor de portas na vossa carreira.

A: Acho que foi. Nós excursionamos muito. Fizemos grandes shows com ele por toda a Europa, e festivais muito grandes no verão também. Mas acho que um dos destaques foi a turnê com Alice Cooper em 2013, era como um sonho realizado de repente ser capaz de fazer uma turnê com uma lenda com apenas um álbum. Foram ótimos dias!

Plugmetal Magazine: o Álbum como um todo foi um excelente trabalho e fato de terem feito uma turnê com o Alice Cooper realmente foi algo incrível que apenas denota toda a qualidade musical de vocês.

7- Como ocorreu a produção do álbum “Strangers in Paradise” de 2014 ?

A: Enquanto ainda estávamos em turnê para Outshine The Sun, em 2012, tivemos que tocar no festival Masters of Rock na República Tcheca, o Unisonic estava tocando lá também, e Dennis Ward era um dos meus produtores favoritos na época. Ele era uma das minhas melhores escolhas e eu realmente queria trabalhar com ele, porque eu senti que ele seria perfeito para o novo material que eu estava escrevendo.

Então eu corri e dei um jeito de encontrá-lo nos bastidores e lhe contei sobre o meu projeto, mais tarde trocamos alguns e-mails, ele verificou nosso álbum de estreia e ele estava realmente interessado em trabalhar conosco, então agendamos algumas datas, terminei de escrever e fomos direto para o Hofa Studios na Alemanha afim de trabalhar com ele. Foi intenso tudo aquilo que fizemos sob a sua direção, mas realmente emocionante ir a um estúdio tão incrível para trabalhar com um dos meus produtores favoritos na época.

Plugmetal Magazine: Realmente ele é um grande produtor e este álbum ficou incrível, as músicas ” Whispered Dreams”, ” Better Angles”  e ” Rose in Bloom”, são grandes destaques deste trabalho.

8- O EP qual foi a inspiração para composição do ” Better Angels” lançado em 2015?

A: Better Angels é na verdade uma canção do álbum acima citado, não foi um lançamento separado. Fizemos um vídeo para ele, e foi o primeiro vídeo que fizemos para o álbum. É sobre a mudança de percepção que ocorre depois que um relacionamento falha, e de repente você vê uma pessoa de uma maneira completamente diferente. O título vem da expressão “apelar para os melhores anjos de nossa natureza”, que geralmente é o oposto do que as pessoas fazem quando um relacionamento termina.

Plugmetal Magazine: Não conhecia o uso desta expressão acima citada. Realmente achamos que fosse um EP inspirado na canção presente do álbum acima citado, não se pode acertar todas nesta vida {risos}.

9- E o EP ” This World Is Burning” de 2019 o que o inspirou?

A: Este foi um single que lançamos junto com uma campanha de crowdfunding para financiar os custos de gravação do novo álbum. A música também será incluída no nosso novo álbum. E foi uma das primeiras músicas que escrevemos para este trabalho, foi concluído em 2016 na verdade! Liricamente fala sobre o contexto político e social em que estávamos vivendo, e isso ainda é relevante hoje. Na época em que Donald Trump tinha acabado de ser eleito, o Brexit havia sido votado, e essas letras eram uma reação a isso, e a crescente polarização da sociedade que ainda está acontecendo hoje.

Plugmetal Magazine: Interessante a história do single! Realmente lamentável os acontecimentos políticos destes últimos tempos.

Agora falaremos de outros assuntos pertinentes a banda.

10- Qual o som da cena Europeia que mais influência a banda?

A: Há tantas influências que é difícil dizer. Eu escuto tudo, do pop moderno a coisas muito pesadas. Acho que é essa variedade que traz um som único para nossas composições, é ampliando nossas influências e interesses musicais que podemos tentar inovar e oferecer algo novo dentro de um gênero que existe há décadas. Adoro os clássicos, adoro as coisas modernas, mas o que eu mais gosto é originalidade. Desde os pioneiros do gênero, até as bandas que ainda estão tentando oferecer algo novo e emocionante hoje.

Plugmetal Magazine: Compreendo!

11- E fora da Europa qual a maior influência musical de vocês?

A: Da mesma forma, não é tanto sobre de que país ou área as bandas vêm, é mais sobre se eles oferecem algo excitante ou não. Mas já que você é do Brasil, eu vou te dizer uma coisa. Angra sempre foi uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos, todos os gêneros incluídos. Acho que é uma das melhores bandas do mundo, especialmente as épocas com André Matos e Edu Falaschi. Fiquei arrasado quando André faleceu. Tão jovem! Uma verdadeira tragédia.

Plugmetal Magazine: O Angra realmente foi um dos melhores trabalhos de todos os tempos, o André foi um cara completamente genial, eleito a melhor voz do mundo em termos de potencia, foi uma época incrível para a música Heavy Metal.

12- Durante esses anos de existência da banda em algum momento vocês pensaram em desistir da jornada diante de alguma dificuldade?

A: Eu penso nisso todos os dias! Mas eu tenho um prazer sadomasoquista em me bater repetidamente e empurrar nesta indústria infestada de tubarões.

Plugmetal Magazine: Puta merda! Não desista homem! O som da banda é muito bom e com um futuro bem promissor para que vocês desistam. Continue resistindo.

13- Diga aos seus fãs algo engraçado que já aconteceu no caminho, ou, durante um show ou ensaio.

A: Oh, eu tenho algumas boas histórias, mas eu não tenho certeza se eu posso contar todas elas em público! {risos}. Talvez por uma cerveja algum dia!

Lembro-me do nosso ex-guitarrista Andy Midgley, que ainda é um bom amigo, a propósito. Mas às vezes, depois dos shows, ele ficava tão bêbado, e ele se metia em muitos problemas, que constantemente tínhamos que pedir desculpas a todos. Olhando para trás, houve alguns momentos dourados embora uma vez ele foi expulso do local depois que tocamos com Epica e Dragonforce em Londres, porque ele invadiu o camarim da Epica completamente bêbado… Lembro-me do gerente da Dragonforce dando-lhe uma enorme lição lá fora antes de mandá-lo para casa {risos}. Ou outras vezes quando por exemplo abriu o zíper da calça e colocou o pau para fora no camarim do Firewind, nos bastidores de um festival e todos eles correram para fora da sala … ou correndo atrás de Ralf Sheepers de Primal Fear gritando “Ralf! Você malha????”

Mas como eu disse, ainda somos bons amigos e ele até contribuiu com dois solos incríveis de guitarra no nosso próximo álbum, mesmo que ele não esteja mais na banda.

Plugmetal Magazine: Uma boa cerveja nunca é demais! Como diz o amigo Eliton Tomasi da assessoria Som do Darma : ” Cerveja é vida….” O Andy Midgley, é um puta de um sacana, as histórias dele me lembrou do Dave Mustaine quando era vocalista do Metallica, pelo menos vocês não colocaram o Andy num ônibus e o mandaram para Bristol com uma mensagem de desligamento da banda { risos}.

14- Onde vocês atuaram pela última vez? Conte-nos um pouco sobre isso.

A: Foi nosso último show antes da pandemia começar. Claro que não sabíamos na época, foi um festival em Hamburgo em setembro de 2019. Pouco depois fomos ao estúdio gravar nosso álbum, pensando que seria lançado em 2020, e estaríamos em turnê até o segundo semestre do ano… mas o mundo tinha outros planos, como todos sabemos!

Esse festival foi bom, e encontramos um velho amigo, que então levou a uma colaboração exclusiva para este álbum… que eu não posso falar ainda, mas você vai descobrir muito, muito em breve!

Plugmetal Magazine: A porra da pandemia desgraçou os projetos de todo o mercado musical, shows foram cancelados, várias pessoas perderam o seu emprego, foi uma puta merda! E quanto a surpresa no novo trabalho de vocês nós aguardaremos.

15- De todos os shows já realizados, quais foram os mais marcantes?

A: Provavelmente alguns de nossos shows na República Tcheca no festival Masters of Rock. Eu amo o público tcheco, eles sempre foram ótimos para nós. Para mim, é como em casa longe de casa. Eu sempre adoro voltar lá, e os shows que fizemos apoiando Alice Cooper, bem este são indescritíveis, foi algo mágico.

Plugmetal Magazine: Tocar com o Alice realmente deve ter sido algo mágico, ele é um músico ímpar assim como o Ozzy.

16- Agora falaremos sobre o futuro, quais são seus projetos para o futuro?

A: Agora vamos focar na promoção do próximo álbum, que na verdade só começou hoje (12de fevereiro), com o lançamento do nosso novo single, que é um cover do clássico “Venus”, de 1969, da Shocking Blue. Mas nós demos uma reviravolta muito pessoal, e convidamos a superestrela internacional e modelo alternativa Dani Divine para se juntar a nós. Confira o vídeo no YouTube! Uma vez que o álbum está para ser lançado.. Vamos ter que cruzar os dedos para que possamos voltar à turnê em breve!

Plugmetal Magazine: Citamos o Single acima em nossos comentários de outra questão. Esperamos que esta pandemia passe logo para que todos possam voltar as suas rotinas e que vocês possam dar seguimento no lançamento e promoção do novo álbum. Torcendo para que passem pelo Brasil!

17-Cite algumas bandas que emergiram da mesma cena que vocês, e comentem acerca do Underground local.

A: Não sei se podemos classificá-la como a mesma cena, mas nossos bons amigos de A New Tomorrow são uma grande banda de Londres, que recomendamos. Alessio Garavello, o cantor, costumava ser o cantor original em Power Quest. Esta é sua nova banda, com um som de rock alternativo moderno. Trabalhamos muito com Alessio também, já que ele tem um estúdio em Londres. O álbum atual deles saiu agora na Frontiers Records, eu realmente recomendo!

Plugmetal Magazine: Realmente boas recomendações, o Power Cast tem um trabalho muito interessante.

18-Se vocês pudessem colaborar com uma banda ou músico atual, quem seria?

A: Difícil dizer. Provavelmente alguém realmente inesperado como um artista pop famoso, alguém que ninguém esperaria  estar em uma música de metal…. Como Ariana Grande. Imagine isso!

Plugmetal Magazine: A Ariana com toda a sua grandeza e potência musical realmente seria uma grande cantora de metal.

19-Se vocês pudessem tocar em qualquer festival do mundo, qual escolheriam e porque?

A: Eu escolheria todos eles! Meu sonho é tocar em todos os palcos que podem ser abalados no mundo. Não importa o quão longe. Mas o Rock in Rio seria ótimo.

Plugmetal Magazine: O Rock In Rio é Legal! Somos deste Estado, e seria ótimo vê-los por aqui.

20- Se vocês pudessem mudar alguma coisa sobre a indústria da música, o que seria ?

A: Essa é uma pergunta muito profunda. Eu poderia escrever uma dissertação sobre isso, mas eu não acho que alguém gostaria de lê-lo. Não posso te dar uma resposta simples sobre isso. No entanto, uma coisa que eu reverteria imediatamente se eu tivesse o poder de fazê-lo, e não está exatamente relacionado com o negócio da música, mas afeta os artistas britânicos de uma maneira importante, é o Brexit. Os custos adicionais e as complicações da turnê que os artistas britânicos enfrentarão agora, ir para a Europa é uma ameaça muito grande para a sobrevivência de tantos artistas, mesmo os realmente estabelecidos. Então eu mudaria isso se pudesse.

Plugmetal Magazine: Não imaginávamos que esta questão política afetaria tanto assim o trabalho dos artistas britânicos.

21- Citarei dez clássicos do Heavy Metal nos digam por favor se algum deles faz parte de vossas influências e caso positivo o que representam para si:

1) Satan- “Court in The Act”

A: Definitivamente não é uma influência.

Plugmetal Magazine: Esta banda tem um trabalho incrível, é uma influencia fortíssima na vida de nosso Diretor Chefe.

2) Pagan Altar- ” The Lords of Hypocrisi”

A: Nunca ouvi falar deste.

Plugmetal Magazine: Eles são uma banda icônica de uma faze incrível do Heavy Metal a NWOBHM.

3) Quiet Riot- ” Metal Heath”

A: Um álbum clássico que definiu uma geração. Não foi a minha, mas eu ainda batia cabeça até mesmo de forma imprudente, isto em uma época que definitivamente não era legal fazer isso. Ainda acho  divertido!

Plugmetal Magazine: Esta banda é histórica! Fizeram um trabalho maravilhoso que marcou várias gerações diferentes.

4) Maniac- ” Look Out”

A: Nunca ouvi falar disso.

Plugmetal Magazine: Um trabalho interessante e clássico, procure escutar, talvez goste, apesar de NWOBH não ser muito a sua preferência.

5) Sanctuary- ” Refuge Denied”

A: Definitivamente não é uma influência.

Plugmetal Magazine: Outra clássica banda que citamos!

6) Judas Priest- ” Screaming for Vengeance”

A: É um grande clássico. Eu adoro todos os álbuns do Priest dos anos 80 até Painkiller. Uma das maiores bandas de metal de todos os tempos, e com justiça.

Plugmetal Magazine: Esta banda realmente é fenomenal e Painkiller foi um dos trabalhos mais importantes da década.

7) Riot- “Thundersteel”

A: Agora isso eu não entendo. Eu realmente não entendo por que as pessoas gostam deste álbum. Tenho alguns amigos de metal puristas que adoram… Honestamente, eu não acho que ele ofereceu nada novo ou emocionante para o seu tempo, havia inúmeras bandas lá fora fazendo isso muito melhor, e hoje soa incrivelmente datado e irrelevante. Só estou sendo honesto, essa é a minha opinião. Tenho certeza que muitas pessoas gostariam de me crucificar por dizer isso, mas é assim que eu me sinto.

Plugmetal Magazine: Melhor não comentarmos isto { risos}.

8) Overdrive- ” On the Run”

A:Nunca ouvi falar disso!

Plugmetal Magazine: Apenas outra clássica banda.

9) Witchfynde- “Give Em Hell”

A: Vagamente familiarizado com o nome. Mas acho que todas essas bandas obscuras da NWOBHM são completamente irrelevantes para nós. Não tenho problemas com as pessoas gostarem dessas coisas se é isso que querem ouvir, mas não tenho nenhum interesse nisso.

Plugmetal Magazine: Entendemos!

10) Tank- ” Filth Hounds of Hades”

A: O mesmo que acima.

Plugmetal Magazine: OK!

22- O que vocês tem feito para manter a banda unida nestes tempos de pandemia do Vírus Corona?

A: Nos mantemos realmente ocupados nos bastidores, preparando nosso próximo lançamento, gravando uma música adicional, que acabou sendo Vênus, que acabamos de lançar hoje… nós também fizemos uma série de covers acústicos que gravamos em casa por causa do confinamento… tem sido um tempo muito ocupado, na verdade, mas muito disso aconteceu nos bastidores. No entanto, estamos prestes a revelar o resultado de todo esse trabalho agora com nosso próximo lançamento e toda a promo que planejamos para ele. Então, estamos muito animados com isso!

Plugmetal Magazine: Entendo!

Mais uma vez obrigado pela entrevista, deixo este espaço aberto para que vocês deixem uma mensagem especial ao público.

Graças a você! E a mensagem para o público é…

Lembre-se sempre de escovar os dentes antes de ir para a cama!

Entrevista realizada por: Wagner Barbosa

Links Sociais da Banda: Facebook | Youtube | Instagram 

 

Por favor compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •